segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Benção das Fitas 2008


Daquelas boas recordações...Com uma festinha para recordar a benção das fitas das duas primas...a Patrícia em Gestão e eu em Reabilitação Psicomotora. O símbolo é da Casa da Praia, onde fiz um estágio inesquecível...

quinta-feira, 25 de novembro de 2010

Gerontopsicomotricidade

"Nos olhos dos jovens há claridade, nos dos velhos luz" Jouvert




A Psicomotricidade é uma ciência que estuda e investiga as relações e as influências recíprocas e sistémicas entre o psiquismo e a motricidade. Ao basear-se numa visão holística do ser humano, encara de forma integrada as funções cognitivas, sócio-emocionais, simbólicas, psicolinguísticas e motoras, promovendo a capacidade de ser e agir num contexto psicossocial. A intervenção em Psicomotricidade actua em todas as fases da vida (do nascimento à velhice) como forma de prevenção/estimulação ou como reabilitação da função inadequada, através de uma mediação corporal e expressiva. Assim, através do movimento e da sua regulação tónico-emocional, permite que o indivíduo reencontre o prazer sensório-motor e possibilita o desenvolvimento dos processos simbólicos.


Pela abordagem sistémica e holística do ser humano que defende, a Psicomotricidade tem-se tornado uma resposta cada vez mais indispensável em situações onde a adaptação está comprometida e onde é indispensável uma compreensão interligada do funcionamento do sujeito nos seus vários domínios comportamentais, desde o motor, passando pelo afectivo, até ao cognitivo.


Na população idosa, em crescimento exponencial no nosso país, verifica-se um declínio psicomotor, com perdas significativas no equilíbrio, na coordenação motora e nos processos cognitivos. O corpo, fragilizado e tido como fonte de dor, é desvalorizado e desinvestido e a imagem corporal encontra-se em constante transformação. A Gerontopsicomotricidade tem, assim, um papel fundamental na redescoberta deste novo corpo e do seu movimento, na recuperação da autonomia, desejo e motivação.


Um programa de estimulação e reabilitação em Gerontopsicomotricidade pretende desenvolver tanto a actividade perceptivo-motora do idoso como a actividade relacional, tendo como objectivos específicos retardar os processos de deterioração psicobiológica associados ao envelhecimento e que impedem a manutenção da independência funcional do idoso e, consequentemente, a sua inserção na comunidade. As metodologias desta área tentam neutralizar ou minimizar:


 Os processos de retrogénese motora;
 A diminuição dos hábitos motores;
 O declínio das habilidades cognitivas;
 A perda de capacidades sensoriais e perceptivas;
 Os problemas emocionais e afectivos.

A intervenção pode, ainda, situar-se em três níveis, nomeadamente:
Primária – Intervenção junto de idosos saudáveis, tem como principal objectivo evitar possíveis patologias resultantes de défices no processo de envelhecimento (ex: ocorrência de quedas por dificuldades no equilíbrio dinâmico), actuando-se numa dimensão integral biopsicossociológica.
Secundária – Intervenção com características reabilitativas, junto de idosos com ligeiros défices cognitivos ou défices na capacidade funcional. Pretende-se manter um bom funcionamento da pessoa, mantendo as capacidades preservadas e estimulando as que estão em fase de deterioração.
Terciária – Ocorre quando a pessoa já tem um diagnóstico estabelecido e são evidentes os défices ao nível cognitivo e funcional. Os principais objectivos são desenvolver estratégias para superar as dificuldades, de forma a retardar os efeitos da deterioração associada à patologia, promover a autonomia na realização de actividades, mantendo a capacidade funcional e melhorando a qualidade de vida.

Este tipo de programas, ao estimularem os factores psicomotores (Tonicidade, Equilibração, Lateralização, Noção do Corpo, Estruturação Espácio-Temporal, Práxia Global e Práxia Fina), juntamente com aspectos cognitivos (memória, atenção, linguagem…) e sócio-emocionais (auto-estima, auto-eficácia…) contribuem fortemente para o desempenho das AVDs (Actividades da Vida Diária) e das AIVDs (Actividades Instrumentais da Vida Diária), promovendo uma melhor Qualidade de Vida.




Bibliografia:

- Pereira, B. (2004). Gerontopsicomotricidade: envelhecer melhor - da quantidade à qualidade. A Psicomotricidade, 4, 88-93.
- Morais, A. (2007). Psicomotricidade e Promoção da Qualidade de Vida em Idosos com Doença de Alzheimer. A Psicomotricidade, 10, 25-33.
- Nuñes, J. & Gonzáles., (2001). Programa de Gerontopsicomotricidad en Ancianos Institucionalizados. In Fonseca, V.; Martins, R. (Eds). Progressos em Psicomotricidade. Lisboa: Edições FMH.
- Fonseca, V. (2001). Gerontopsicomotricidade: Uma Abordagem ao Conceito da Retrogénese Psicomotora. In Fonseca, V.; Martins, R. (Eds). Progressos em Psicomotricidade. Lisboa: Edições FMH.

sexta-feira, 12 de novembro de 2010

Alzheimer

Neste meu novo percurso, a trabalhar com pessoas idosas deparo-me com o problema das Demências, nomeadamente a doença de Alzheimer...Não são só as pessoas com a doença que sofrem, mas todas as que a rodeiam (familiares, amigos, cuidadores formais...). Aqui fica um pequeno vídeo que explica como funciona esta doença...

É urgente encontrarmos estratégias para melhorar a qualidade de vida destas pessoas!
video

Jogo dos Palhaços (Lógica)

Desenvolve conceitos de correspondência termo a termo e de classificação, assim como a atenção e a diferenciação perceptiva.

Jogo de Seriação



Desenvolve a capacidade de observação e de seriação bem como o vocabulário associado a este conceito: maior, médio, menor, pequeno, grande.
Revista Coisas de Criança

Jogo das Palavras



Pretende-se associar as imagens à palavra correspondente, escrita em maiúsculas ou em minúsculas. Desenvolve a consciência fonológica da criança.
Imagens e palavras retiradas da revista Coisas de Criança.

A Tromba do Elefante


Vamos colocar a Tromba no elefante!!
Um jogo divertido em que a criança, de olhos vendados, segue as instruções verbais de uma outra, de modo a passar por determinado percurso. Quando chegar perto do elefante deverá colocar a tromba no local correspondente também seguindo as orientações verbais. É importante que a criança também passe pela função de dar instruções. Pode-se tornar um jogo muito divertido!
Desenvolve a orientação espacial, a lateralidade e, ainda, a capacidade de escutar e de seguir/dar instruções (liderar).

quinta-feira, 4 de novembro de 2010

Lenda de S. Martinho


Martinho era um valente soldado romano que estava a regressar de Itália para a sua terra, algures em França. Estava muito, muito frio, vento e mau tempo enquanto cavalgava e Martinho estava agasalhado normalmente para a época: tinha uma capa vermelha, que os soldados romanos normalmente usavam.
De repente, aparece-lhe um mendigo, vestido com roupas já velhas e rotas e cheio de frio que lhe estendeu a mão à procura de auxílio...Infelizmente, Martinho não tinha nada para lhe dar. Então, pegou na espada, levantou-a e deu um golpe na sua capa. Cortou-a ao meio e deu metade ao pobre.
Nesse momento… as nuvens e o mau tempo desapareceram. Parecia que era Verão! Foi como uma recompensa de Deus a Martinho por ele ter sido bom.
É por isso que todos os anos, nesta altura do ano, mesmo sendo Outono, durante cerca de três dias o tempo fica melhor e mais quente: é o Verão de São Martinho.