terça-feira, 22 de setembro de 2009

Como a Criança Aprende a Amar...

Se a criança vive cercada de críticas, aprende a condenar.
Se a criança vive cercada de hostilidade, aprende a combater.
Se a criança vive cercada de zombarias, aprende a ser envergonhada.
Se a criança vive cercada de censuras, aprende a sentir-se culpada.
Se a criança vive cercada de tolerância, aprende a ser paciente.
Se a criança vive cercada de encorajamentos, aprende a ser confiante.
Se a criança vive cercada de elogios, aprende a também apreciar.
Se a criança vive cercada de retidão, aprende a justiça.
Se a criança vive cercada de segurança, aprende a ter fé.
Se a criança vive cercada de aprovação, aprende a gostar de si mesma.
Se a criança vive cercada de aceitação e amizade, aprende a encontrar amor no mundo.


(Autor desconhecido)

segunda-feira, 21 de setembro de 2009

A Psicomotricidade

"Pensar o corpo para corpo poder sentir, sentir o corpo para o corpo poder pensar"


O que é a Psicomotricidade?
O conceito de Psicomotricidade refere-se à relação e às influências que existem entre o Psiquismo e a Motricidade.
Ao encarar o indivíduo como um todo, inclui de forma integrada os seus aspectos cognitivos, sócio-emocionais, simbólicos, psicolinguísticos e motores, promovendo a capacidade de ser e de agir num contexto psicossocial.



A importância da Psicomotricidade na Infância...
A Psicomotricidade surge como um recurso de extrema importância para o desenvolvimento harmonioso da criança, pois é pelo movimento que a criança se relaciona com o mundo, com os objectos e com os outros e através do qual desenvolve a inteligência e pacifica os seus estados emocionais.




Quais os objectivos da Intervenção em Psicomotricidade?
· Estimular o desenvolvimento psicomotor
· Promover o potencial de aprendizagem e adaptabilidade psicossocial.


A Psicomotricidade tem os mesmos objectivos de outras terapias, mas valoriza diferentes meios de expressão e comunicação, nomeadamente o ESPAÇO, os MATERIAIS e principalmente o CORPO.


Ao basear-se em experiências corporais (descoberta do mundo através do corpo), permite que haja a assimilação de noções fundamentais para chegar à expressão simbólica e abstracta (onde se inclui a escrita).



Como?
Através de actividades que seguem os interesses e necessidades de cada criança e que procuram ser LÚDICAS e MOTIVANTES.
*Jogos de regras, circuitos, construções, jogos de equipa, dramatizações, dança, música, relaxação…
*Numa dinâmica individual ou grupal

Para que Problemas?

· Dificuldades de Aprendizagem
· Perturbação da Hiperactividade
· Défice de Atenção
· Perturbação do Espectro do Autismo
· Síndroma de Asperger
· Défice Cognitivo
· Atraso de Desenvolvimento
· Deficiência Motora (ex: Paralisia Cerebral)
· Trissomia 21
· Deficiências Sensoriais (visual, auditiva)
· Perturbação da relação e da comunicação
· Problemas de Comportamento
· Outros



Cláudia Duarte
Técnica de Psicomotricidade (Torres Vedras e Lisboa)
Contactos
E-mail: claudiassd@gmail.com

Mais informações em:
www.appsicomotricidade.org

sexta-feira, 18 de setembro de 2009

Chá Simpático










Acabei, finalmente, a minha primeira caixa feita com a técnica do guardanapo. Ficou gira, não ficou?;)




terça-feira, 15 de setembro de 2009

O Menino e o Cavalo…Uma História Real de Amor a um Filho



“Sem hesitar, Rowan abriu os braços e envolveu a grande cabeça castanha de Betsy, que estava suficientemente baixa para ele a poder alcançar. Depois deu-lhe um beijo. Ao ser beijado, o animal ganhou uma expressão de uma ternura extraordinária, uma certa suavização do olhar, um deleitado semicerrar de pálpebras, com as suas longas e negras pestanas. Algo passara de um para o outro. Um tipo de comunicação directa que eu, o pai, um ser humano neurologicamente convencional, jamais poderia experienciar.”
Rupert Isaacson, jornalista e antigo treinador de cavalos, sonhou com o melhor para o seu filho Rowan. Mas Rowan afastava-se dos sonhos do pai…era diferente das outras crianças…não falava, não brincava, refugiava-se num mundo próprio e só dele. Aos 3 anos foi-lhe diagnosticado AUTISMO.
Rupert e a mulher Kristin (professora catedrática de Psicologia) tentaram todas as terapias na esperança de verem o seu filho mais estável, mas, ao invés ouviam gritos, aumentavam os espasmos e os ataques.
O contacto com a natureza era das poucas coisas que acalmava Rowan e foi durante um passeio pelo bosque que o menino se afastou do pai, correu pelo prado, e se atirou para debaixo da égua Betsy. A égua submeteu-se espontaneamente à criança... Rowan tinha uma espécie de contacto directo com o animal e foi ganhando toda uma linguagem por montar.
Para além dos cavalos, havia algo mais que tinha um impacto positivo sobre Rowan…o Xamanismo (Rowan tinha estado em contacto com um grupo de curandeiros nos EUA).
Rupert pensou, então, em combinar os cavalos com esta forma de tratamento…fazia o possível e o impossível pelo seu filho... E o impossível tornou-se na mais pura realidade quando, em 2007, esta família realizou uma viagem até às distantes estepes da Mongólia, local onde o primeiro cavalo foi domesticado. Durante esta viagem, grande parte feita a cavalo, procuraram ajuda dos curandeiros tradicionais e dos xamãs. Rowan fez o seu primeiro amigo e teve as suas primeiras conversas…ficou, ainda, curado das terríveis disfunções que o afligiam: a incontinência física e emocional, a ansiedade e a hiperactividade.

Um livro extraordinário…Uma viagem sustentada pela , Esperança e Amor!
Sugestões de Leitura:
Revista Equitação, Ano XIV, nº 79, Julho/Agosto 2009 - Entrevista de Rupert quando esteve em Portugal
Sites a Visitar:
Informações sobre a prática de Equitação Terapêutica em Portugal:
Enviar e-mail para claudiassd@gmail.com
Um pequeno filme sobre esta viagem:

video

sexta-feira, 28 de agosto de 2009

Sorrisos no Olhar


Olho para ti
Sorrio para ti
Chamo pelo teu nome…
Tento alcançar-te, tocar-te e abraçar-te
E nos teus segredos não me encontras…

Afastas-te…choras…gritas
Numa corporeidade ausente de sentido...

Tu…de olhares perplexos e fixos…
Num girar rítmico e obsessivo,
Entoas estranhas palavras
Que, incompreendidas, me sabem a silêncio…

Porque não me ouves?
Porque não olhas para mim?
Porque te afastas deste meu mundo que também é o teu?

Aflijo-me ao querer encontrar o teu ser…
E procuro compreender…
Insisto, tento e persisto…Não desisto!

Por fim, numa mesma canção…
Encontro a melodia da tua alma…
As vibrações do teu coração…
O significado das tuas palavras…

Aproximas-te e sinto o teu toque…suave e cauteloso…
Ouço a verdade que há em ti
Criança autêntica que és…
Com desejos de correr, saltar e brincar…
Queres estar aqui!

E é então…
Que te olho nos olhos e vejo…
Que olhas para mim…inocente…
Nos teus olhos, estás a sorrir genuinamente…